Quinta-Feira,�19 deOutubro,�2017

Cautela nas Bolsas em 2011

diario-economico

Publicado no Diário Económico de dia 3 de Janeiro 2011

Cautela nas Bolsas em 2011

Por André Ribeiro

No final de 2010 os futuros do indíce S&P 500 atingiram os 1251 pontos, incorporando as melhores estimativas de uma recuperação da economia em 2011. Nos últimos 21 meses este índice valorizou 85% recuperando cerca de 63% do colapso do máximo de 9 de Outubro de 2007 ao mínimo de 9 de Março de 2009.

Nas projecções para 2011 da revista Barron’s todos os analistas apresentam perspectivas positivas. Mas vejamos o contexto actual. Um facto inegável é que o sistema que provocou a crise financeira continua em funções e insolvente, apenas lhe foram lançados mais uns dólares e euros em cima para se aguentarem uns tempos.

A euforia nas bolsas é oficial, de acordo com a AAII Sentiment Survey de 23 de Dezembro, a percentagem de bulls é agora de 63,28% o valor mais alto desde Novembro de 2004, enquanto que o sentimento bearish é de apenas 16,41% o valor mais baixo desde Novembro de 2005. Os fundos de investimento nos EUA estão há 33 semanas consecutivas a retirar dinheiro das bolsas. O indíce da volatilidade, o VIX atingiu niveis abaixo dos 17, que é um sinal de grande confiança e complacência e portanto ausência de medo. As estocásticas mensais e semanais estão em níveis extremamente elevados. Muitas das maiores quedas nos últimos anos deram-se com estes indicadores nos níveis extremos em que estão agora. Sugere-se portanto muita cautela nas bolsas. É preciso estar atento, pois é provável que o próximo ano traga um aumento da volatilidade, o que se traduzirá em oscilações fortes e rápidas nos preços.

Em termos reais, valorizadas em ouro, as bolsas têm estado a afundar-se há uma década e a minha análise aponta para que essa tendência vai continuar. No ano 2000 eram necessárias mais de 40 onças de ouro para comprar o indíce Dow Jones, agora essa compra pode ser feita por pouco mais de 8 onças de ouro. Os analistas que acreditam na subida no ouro pensam que esse rácio pode ir para os 1:1, ou seja, 1 onça de ouro a valer o mesmo que o Dow Jones. As injecções massivas de moeda estão a gerar inflação que também tem levado a novos níveis recorde nas matérias-primas.

A médio e longo prazo os investidores podem continuar a proteger-se da inflação crescente estando em activos que se valorizam em ambientes inflacionistas. Os metais preciosos, em particular o ouro e a prata são dos veículos mais directos para materializar o que considero serem bons investimentos. A continuarem a tendência da última década o ouro e a prata continuarão a estabelecer novos máximos.

Comentários (0)

Subscrever RSS deste comentário.

Exibir/Ocultar comentários.

Escreva um comentário.


busy

AVISO: A informação contida neste website foi obtida de fontes consideradas credíveis, contudo não há garantia da sua exactidão. As opiniões aqui expressas são-no a titulo exclusivamente pessoal. Devido à variação dos objectivos de investimento individuais, este conteúdo não deve ser interpretado como conselhos para as necessidades particulares do leitor. As opinões expressas aqui são parte da nossa opinião nesta data e são sujeitas a alteração sem aviso. Qualquer acção resultante da utilização da leitura deste comentário independente do mercado, é da exclusiva responsabilidade do leitor.

Newsletter BonsInvestimentos

Assine gratuitamente a newsletter mensal BonsInvestimentos.
Nome:
E-mail: