Quarta-Feira,�13 deDezembro,�2017

Divergências nas bolsas e nos metais preciosos

diario-economico

Publicado no Diário Económico de dia 31 de Janeiro 2011

Divergências nas bolsas e nos metais preciosos

Por André Ribeiro

No final de Janeiro os futuros do S&P 500 estão perto dos 1300 pontos, desde o mínimo de 9 de Março de 2009, passados 23 meses este índice valorizou 91%. Contudo ainda está longe dos máximos de 2007 e as sequelas do “annus horribilis” de 2008 ainda estão bem presentes.

O clima do mercado accionista continua a ser caracterizado por um sentimento dos investidores em extremos de otimismo, a volatilidade em mínimos e em extremos, os valores das estocásticas mensais e semanais elevados em valores que são semelhantes aos topos anteriores das bolsas. As yields das obrigações estão a subir o que historicamente é hostil para as acções.

As bolsas tipicamente demoram algum tempo a formar grandes topos e fazem uma série de máximos sucessivos marginais, o que tem acontecido nas últimas semanas. Foi assim nos topos recentes em 2007, Janeiro de 2010, Abril de 2010 e agora. Uma vez que fazem o topo, o declínio que se segue é significativo.

Há indicadores bearish divergentes nas bolsas entre os diferentes indíces bolsistas, que são típicos de grandes topos. O rally desde o verão de 2010 tem sido frustrante para os Bears, o que faz parte da formação de um grande topo. Em 2007, o rally de Julho a Outubro parecia não fazer sentido para os Bears e incentivou os Bulls, contudo acabou por ser a corrida final exuberante de um grande topo que inverteu rapidamente e até hoje não voltou a ser aproximado. O mesmo está a suceder desde o verão passado.

Entretanto em dólares americanos, em 2010 a prata disparou 84%, enguanto que o ouro subiu quase 30%. Na última década, nos metais preciosos a prata apresentou a melhor performance com um aumento médio anual de 21% e o ouro teve uma média anual positiva de 18%. Nas primeiras semanas do ano os metais têm estado a corrigir.

A tendência de apreciação dos preços dos metais pode continuar, com o deteriorar das moedas de papel. O rácio entre o ouro e prata, tem melhorado a favor da prata, nos últimos três anos de mais de 80 para menos de 49. A “média histórica”, que pode variar segundo a forma de cálculo, é de 15 onças de prata por cada onça de ouro. Podemos também assistir a choques, com o disparo de preços nos metais preciosos, tal como estamos a assistir com o cacau.

Com a população mundial a inchar para os 7 mil milhões, a procura de matérias primas deverá continuar a crescer. Será extraordinário se a Prata voltar a liderar as subidas e ser um bom investimento também nesta década.

 

 

 

Comentários (0)

Subscrever RSS deste comentário.

Exibir/Ocultar comentários.

Escreva um comentário.


busy

AVISO: A informação contida neste website foi obtida de fontes consideradas credíveis, contudo não há garantia da sua exactidão. As opiniões aqui expressas são-no a titulo exclusivamente pessoal. Devido à variação dos objectivos de investimento individuais, este conteúdo não deve ser interpretado como conselhos para as necessidades particulares do leitor. As opinões expressas aqui são parte da nossa opinião nesta data e são sujeitas a alteração sem aviso. Qualquer acção resultante da utilização da leitura deste comentário independente do mercado, é da exclusiva responsabilidade do leitor.

Newsletter BonsInvestimentos

Assine gratuitamente a newsletter mensal BonsInvestimentos.
Nome:
E-mail: