Sábado,�23 deSetembro,�2017

Bernanke e Moody's deitam abaixo Wall Street

Atenção, abrirá numa nova janela. PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail

O "twist" anunciado pela Reserva Federal presidida por Ben Bernanke e o corte de notação em três bancos de referência norte-americanos pela Moody's empurrou Wall Street para o vermelho. As bolsas mundiais caíram 2% e o sector financeiro cerca de 2,5%


Por
Jorge Nascimento Rodrigues

A Grécia, a Itália e as divergências internas no Banco Central Europeu acabaram por ficar em segundo plano. Os Estados Unidos subiram à ribalta durante a tarde e noite de quarta-feira.

O final da reunião da Reserva Federal (banco central norte-americano), presidida por Ben Bernanke, e a decisão da agência de notação Moody's (dominada pelo grupo de Warren Buffett) de cortar o rating da dívida de longo prazo do Bank of America e do Wells Fargo e de baixar a notação da dívida de curto prazo do Citigroup provocaram um choque em Wall Street nas últimas horas de negociação.

Os índices bolsistas tiveram um míni-crash. O Dow Jones desceu 2,49% e o S&P 500 baixou 2,94%. Na Times Square, o Nasdaq quebrou 2%.

A descida em Wall Street acabou por influenciar o balanço global nas bolsas mundiais, face a situações "mistas" (com índices no vermelho e outros no verde) na Ásia e na Europa. No entanto, alguns índices europeus e asiáticos já apontavam para o vermelho como cor dominante na quarta-feira. O MSCI Asia Apex 50 caiu 0,33% e, na Europa, o sentimento negativo foi mais forte - o Euro Stoxx 50 baixou 1,96% e o Bloomberg Europe 500 desceu 1,69%.

O índice global de bolsas, o MSCI AC World Index caiu 2%. O sector financeiro à escala mundial sofreu mais - o MSCI AC World Index Financials baixou 2,448%.

Verdades duras cada vez mais claras


Os investidores envolvidos nos mercados financeiros norte-americanos constataram hoje três factos:

- A Moody's procedeu aos cortes das notações de três grandes de Wall Street, porque considera que não vai haver mais margem de manobra nos EUA para resgates de grandes bancos - os tais "demasiado grandes para falir" (TBTF, no acrónimo em inglês), que foram salvos aquando do início da crise financeira em 2008, têm hoje menos probabilidade de que isso aconteça. A era dos grandes resgates não se repetirá, sentenciou a agência de notação;

- A Reserva Federal (Fed) desapontou muita gente que esperava algo mais do que uma "operação twist" de venda de títulos do Tesouro de curto prazo, a 3 anos ou menos, para a compra de títulos do Tesouro de longo prazo, com maturidades entre 6 a 30 anos, uma operação que deverá desenrolar-se até final de junho de 2012, num montante de 400 mil milhões de dólares; um balde de agua fria nos investidores que esperaram, até ao último minuto, um terceiro programa de "alívio quantitativo" (quantitative easing, em inglês, QE no acrónimo), ainda que o banco central vá tentar replicar alguns dos efeitos do QE no plano de reciclagem de dívidas hipotecárias que, também, anunciou; esta operação em duas frentes já foi baptizada pelo Financial Times como double-twist;

- A Fed confirmou as verdades duras sobre a conjuntura económica e financeira norte-americana que já o relatório do Fundo Monetário Internacional (FMI) desta semana sublinhava. O economista-chefe do FMI falou de 38% de probabilidade da economia norte-americana entrar em recessão e o relatório sublinhava que aumentaram bruscamente as tensões nos mercados globais financeiros. A Fed, com outra linguagem, disse o mesmo no seu comunicado.

 

Jorge Nascimento Rodrigues é editor de www.gurusonline.tv, www.janelanaweb.com e geoscopio.tv. É igualmente Editor Executivo da Revista Portuguesa e Brasileira de Gestão e colaborador do semanário Expresso.

History Research: Pioneers of Globalization (http://www.centroatl.pt/globalization/)

Most recent at Amazon Kindle: The ark of Portuguese Defaults (http://www.amazon.co.uk/1560-1902-Portuguese-default-ebook/dp/B005IGHTXM/ref=sr_1_40?s=books&ie=UTF8&qid=1314441296&sr=1-40 )

Este comentário foi originalmente publicado no Expresso Online dia 21 de Setembro 2011

AVISO: A informação contida neste website foi obtida de fontes consideradas credíveis, contudo não há garantia da sua exactidão. As opiniões aqui expressas são-no a titulo exclusivamente pessoal. Devido à variação dos objectivos de investimento individuais, este conteúdo não deve ser interpretado como conselhos para as necessidades particulares do leitor. As opinões expressas aqui são parte da nossa opinião nesta data e são sujeitas a alteração sem aviso. Qualquer acção resultante da utilização da leitura deste comentário independente do mercado, é da exclusiva responsabilidade do leitor.