Segunda-Feira,�25 deSetembro,�2017

Crise da dívida: teleconferência noturna acalma juros e risco

Atenção, abrirá numa nova janela. PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail


Crise da dívida: teleconferência noturna acalma juros e risco

 

A teleconferência tripartida de Merkel, Sarkozy e Papandréu acentuou a baixa nos juros da dívida e na probabilidade de incumprimento dos "periféricos" da zona euro

Por
Jorge Nascimento Rodrigues

A tendência altista das últimas semanas foi invertida hoje no mercado secundário da dívida e no mercado dos seguros contra o risco de incumprimento (credit default swaps, cds).

O movimento de baixa começou a verificar-se logo de manhã, mas acentuou-se à tarde e no fecho para o conjunto dos países "periféricos" da zona euro.

O primeiro-ministro britânico sintetizou, pela manhã, no parlamento em Londres o sentimento comum: "A Alemanha e a França vão reunir para impedir que a Grécia vá para a bancarrota".

Resposta a rumores


Ao começo da noite soube-se dos resultados da teleconferência tripartida entre a chanceler alemã Ãngela Merkel, o presidente francês Nicolas Sarkozy e o primeiro-ministro grego Papandréu. Segundo o porta-voz do governo grego, o ministro de Estado Elias Mosialos, o trio terá acordado no seguinte: "Em resposta a rumores de dias recentes foi enfatizado que a Grécia é parte integrante da zona euro".

O trio repetiu a necessidade de serem concretizadas as decisões da última cimeira europeia de 21 de julho e da Grécia cumprir com "todos os compromissos, assegurando a total implementação do programa de resgate".

A teleconferência confirma a decisão política de dar mais algum tempo e espaço de manobra ao governo grego que reiniciou reuniões com a troika e que prossegue as negociações para a reestruturação parcial da dívida com credores privados.

Risco de default grego baixa


O risco de default (incumprimento) grego continuou a baixar - um movimento que já se começara a observar ontem. O preço dos cds desceu de mais de 7300 pontos base no fecho de segunda-feira para 5681,89 pontos base no fecho de hoje. Depois de ter chegado aos quase 98% de risco de default no começo da semana baixou hoje para 93,89%, segundo dados da CMA DataVision.

As yields (juros implícitos) dos títulos gregos baixaram nos prazos de 2 e 3 anos no mercado secundário, e inverteram, à tarde, a tendência altista nos juros a 12 meses e a 5 anos (ainda que não tivessem fechado em níveis abaixo do fecho de terça-feira), segundo dados da Bloomberg. Os juros dos títulos gregos a 12 meses continuam em mais de 141% e os relativos aos títulos a 2 anos estão em 74,49%.

Risco e juros da dívida portuguesa baixam


A mesma inversão de tendência se observou com a dívida portuguesa. O risco de incumprimento baixou de 63,50% no fecho de ontem para 60,98% hoje.

Os juros das obrigações do Tesouro português (OT) baixaram - ainda que ligeiramente - em todas as maturidade, invertendo a tendência altista que se vinha a observar desde 2 de setembro. Os juros das OT a 2 anos baixaram de 16,16% para 16,13% entre o fecho de ontem e o de hoje, e os das OT a 10 anos desceram de 11,56% para 11,35%.

O mesmo movimento observou-se com o risco de incumprimento da dívida irlandesa que baixou de 52,34% ontem para 49,95% hoje, e os juros dos títulos irlandeses baixaram nos prazos a 2 e 10 anos, estando em 9,46% e 8,70% respetivamente.

Movimento de baixa para Itália e Espanha


O risco de entrada em default da dívida italiana baixou de quase 35% ontem para 32,74% hoje e o próprio pais desceu um degrau no "clube" da bancarrota, passando do 7º para o 8º lugar, uma desclassificação, neste caso, virtuosa. Os juros dos títulos do Tesouro italiano baixaram em todos os prazos, mas os juros relativos às maturidades a 10 anos mantêm-se muito acima de 5%, tendo fechado em 5,59%.

Também o risco de incumprimento de Espanha baixou de mais de 30% ontem para 28,26% hoje. Os juros também tiveram um movimento geral de baixa, mas os relativos às obrigações espanholas a 10 anos continuam acima de 5%, tendo fechado em 5,36%.

O "clube" da bancarrota - dos 10 países com maior nível de probabilidade de entrada em default - continua a albergar a Grécia, que lidera, Portugal em 2º lugar, Irlanda na 4ª posição, Itália que desceu para a 8ª posição e a Espanha no 9º lugar.

 



Jorge Nascimento Rodrigues é editor de www.gurusonline.tv, www.janelanaweb.com e geoscopio.tv. É igualmente Editor Executivo da Revista Portuguesa e Brasileira de Gestão e colaborador do semanário Expresso.

History Research: Pioneers of Globalization (http://www.centroatl.pt/globalization/)

Most recent at Amazon Kindle: The ark of Portuguese Defaults (http://www.amazon.co.uk/1560-1902-Portuguese-default-ebook/dp/B005IGHTXM/ref=sr_1_40?s=books&ie=UTF8&qid=1314441296&sr=1-40 )


Este comentário foi originalmente publicado no Expresso Online dia 14 de Setembro 2011

AVISO: A informação contida neste website foi obtida de fontes consideradas credíveis, contudo não há garantia da sua exactidão. As opiniões aqui expressas são-no a titulo exclusivamente pessoal. Devido à variação dos objectivos de investimento individuais, este conteúdo não deve ser interpretado como conselhos para as necessidades particulares do leitor. As opinões expressas aqui são parte da nossa opinião nesta data e são sujeitas a alteração sem aviso. Qualquer acção resultante da utilização da leitura deste comentário independente do mercado, é da exclusiva responsabilidade do leitor.