Liberty Silver - Moedas de Prata sem IVA

Liberty_Silver_PT

Facebook BI

Sábado,�23 deSetembro,�2017

Passo à frente ou atrás?

Fernando-Braga-de-Matos

Por Fernando Braga de Matos*

(Onde o autor, desafiando as probabilidades e os maus augúrios sobre a nossa moeda de estimação, o euro, aposta que a Alemanha, no último momento, ajudará no resgate da Europa, mesmo incluindo os países debochados, entre os quais o nosso, até por instinto de auto-preservação. Mas também adverte que, se perder, não paga).

Toda a gente adora odiar a Alemanha, a dona da bolsa, a quem se imputa o defeito genético dos credores empedernidos, os quais invocam o risco moral nórdico e protestante em desfavor da grandiosa alma sulista do perdão devido aos pecadores, mesmo de arrependimento duvidoso. Porém, com a consciência da boa fé intelectual, convém recordar que os descendentes do Grande Reich foram arrastados para o euro, com notória insatisfação por parte deles, como paga pelo consentimento para a sua reunificação, e que ficou bem assente que o espírito da nova moeda seria germânico, um subproduto do poderoso deutsch mark anti-inflacionista.

Diz-se muito, sempre na nobre arte de alijar responsabilidades, que o sistema foi mal parido e que a presente crise que tanto nos aflige advém desse pecado original. Poder-se-ia, pois, comparar a derrocada do euro à de um edifício construído contra os bons princípios da Física, ao qual seria fácil diagnosticar uma morte súbita mas afinal anunciada. Porém, com implacável rigor e frieza intelectuais, do género que cria inimigos e incomoda os circunstantes, eu pergunto se teríamos chegado a este purgatório se os países ajuramentados cumprissem o juramento e todos tivessem executado o Pacto de Estabilidade e Crescimento, para não falar da vergonha grega de baralhar os números e pedir impunidade.

Por que será que a Finlândia está sadia e vigorosa, mas a Grécia sofre de peste negra e Portugal de febre amarela, quando todos foram submetidos ao mesmo ambiente? Os adeptos da causalidade adequada, como eu próprio, respingam que com mais Katainens e menos Sócrates não estaríamos com os cobradores à porta a ver se temos dracmas, liras ou escudos que cheguem se o euro se desagregar. Como disse há dias o "Wall Street Journal", com sobriedade tecnocrática que os nossos garbosos políticos tanto abominam, demasiados governos europeus deixaram-se aprisionar por sectores públicos improdutivos e sindicatos poderosos e, na sede de ganhar eleições, distribuíram generosas regalias que destruíram a competitividade e construíram dívidas gigantescas.


Mas a verdade é que, mesmo que sem a gravidade da invasão da Polónia, as atitudes dos "krauts" de falta de solidariedade de passageiros do mesmo barco no mesmo mar encapelado, culminando com o desafio da Merkl à Grécia para abandonar a moeda comum, são, no final, prejudiciais para eles próprios. No dia em que escrevo, o acima citado "WST" aponta, muito obviamente, que grande parte da prosperidade e sucesso económico alemães se devem à sua adesão à moeda única europeia e que a imposição de duras medidas de austeridade a parte dos seus vizinhos podem ser mal avaliadas, repercutindo-se afinal contra ela própria.

O ponto de vista que aqui apresento é, pois, este: se a orgia financeira dos países ditos periféricos é o verdadeiro causador da crise, que não é sistémica mas se tornou sistémica, a verdade é que o justo tem parte dos seus interesses em comum com o pecador, pelo que o instinto de preservação passa pela salvação de todos para que cada um, individualmente, tenha redenção.

Todos sabemos que o eleitorado alemão abomina premiar os faltosos, bem sabendo que a sua parcimónia e sobriedade financeira de formiga é que vai subsidiar essas cigarras tontas e insensatas, e, pelos últimos números, são 75% do total que assim pensam. Mas há-se ser possível inverter a tendência: Para já, muito justamente está implantada a austeridade na Europa e mais ou menos assumido como desejável o reforço dos poderes da União Europeia sobre os Estados-membros em matéria orçamental, de modo a assegurar o rigor geral das finanças pública. Agora, da Alemanha, a bem de si própria, pois não conseguirá excluir-se das reverberações, espera-se que abandone a sua política "demasiado pouco demasiado tarde", e dê o passo atrás no rumo para o abismo que a Europa do euro tomou, mesmo que seja necessário anestesiar o seu eleitorado.

 

 


* Advogado, autor de " Ganhar em Bolsa" (ed. D. Quixote), "Bolsa para Iniciados" e "Crónicas Politicamente Incorrectas" (ed. Presença). Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar


Publicado no Jornal de Negócios dia 2 de Dezembro de 2011

 

Comentários (0)

Subscrever RSS deste comentário.

Exibir/Ocultar comentários.

Escreva um comentário.


busy

AVISO: A informação contida neste website foi obtida de fontes consideradas credíveis, contudo não há garantia da sua exactidão. As opiniões aqui expressas são-no a titulo exclusivamente pessoal. Devido à variação dos objectivos de investimento individuais, este conteúdo não deve ser interpretado como conselhos para as necessidades particulares do leitor. As opinões expressas aqui são parte da nossa opinião nesta data e são sujeitas a alteração sem aviso. Qualquer acção resultante da utilização da leitura deste comentário independente do mercado, é da exclusiva responsabilidade do leitor.