Liberty Silver - Moedas de Prata sem IVA

Liberty_Silver_PT

Facebook BI

Quinta-Feira,�23 deNovembro,�2017

QREN e caldos de galinha

Fernando-Braga-de-Matos

Por Fernando Braga de Matos*

(Onde o autor desavergonhadamente utiliza para título uma figura de retórica de autoria do secretário de Estado da Economia, Almeida Henriques, descrevendo o único caminho que resta a este vilipendiado Portugal para o crescimento económico, enquanto divaga sobre a discussão académica e prática, nacional e internacional, europeia e americana sobre o dito tema, salientando sempre que quem paga manda e o nosso país, coitado, está do outro lado do balcão).

Cá em Portugal bem se pode insultar a Merkl ou jogar ao bom aluno, é tudo igual ao litro, porque para crescer economicamente é preciso dinheiro e nós o que temos só vem por empréstimo nas condições dos prestamistas, pelo que o modo inteligente, poupando saliva e energia em geral, é comer e calar.

Por um lado diz-se que o caminho para resolver o estado anémico das economias e arrancar de uma crise que ameaça instalar-se é pôr as contas em ordem, eliminar os desequilíbrios e, com as casas arrumadas, promover o crescimento sem distorções, nomeadamente a inflacionista; do outro, defende-se que a solução é promover o crescimento nem que seja à base de rotativa dos bancos centrais, porque é preciso semear para colher, e no final há sempre quem pague.

Eu sustento, com a habitual lógica arrasadora, que há a polémica para ricos e a para pobres falidos, e que ter razão depende do lado onde estivermos situados, pois o tira-teimas dos resultados ainda vem longe. Cá em Portugal bem se pode insultar a Merkl ou jogar ao bom aluno, é tudo igual ao litro, porque para crescer economicamente é preciso dinheiro e nós o que temos só vem por empréstimo nas condições dos prestamistas, pelo que o modo inteligente, poupando saliva e energia em geral, é comer e calar, fazendo o que se puder com o máximo de eficiência e o mínimo de dislates.

Ora, diz-se muito que o método que está a ser seguido conduz à recessão e esta se alimenta por si própria, provocando uma situação grega. Por muito que esta posição seja fútil, como já ficou estatuído, há que a impugnar pela razão de ela influenciar o sentimento dos cidadãos, contribuindo para minar a necessária resiliência e motivação para resistir. Perigoso. Até se afirma que nunca se viu resultar a ideia de que a austeridade pode produzir um ciclo virtuoso, mas isso é falso pois há casos históricos em que tal aconteceu, como demonstraram Alesina e Perotti ( este várias vezes indicado para o Nobel), referenciando 24% de casos de sucesso nos 107 analisados.

Nem é preciso ir tão longe, basta que a recessão não retarde a retoma, agora produzida num modelo económico mais eficaz, em suma, com a casa arranjada. Mas para que a recuperação apareça é preciso que venha o investimento, que surja o dinheiro que nos falta, e esse tem que vir primordialmente da Europa. Nesta frente, quem comanda é a Alemanha e outros países que impõem a austeridade e coarctam a função do Banco Central Europeu como prestamista de última instância, mas as coisas estão menos más e a entrada de Draghi é, no contexto, uma excelente nova.

Que nos fica no final? Pois, os dinheiros do QREN em maior abundância e a sua utilização mais eficaz, com efeito multiplicador – como disse com grande realismo o secretário de Estado referido no intróito. E ele acrescentou "colo" (eu pus "caldos de galinha"), afinal as reformas estruturais que nos permitirão avançar para o médio /longo prazo com hipóteses de se ter um futuro melhor.

 

 

* Advogado, autor de " Ganhar em Bolsa" (ed. D. Quixote), "Bolsa para Iniciados" e "Crónicas Politicamente Incorrectas" (ed. Presença). Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar


Publicado no Jornal de Negócios dia 2 de Março de 2012

 

Comentários (0)

Subscrever RSS deste comentário.

Exibir/Ocultar comentários.

Escreva um comentário.


busy

AVISO: A informação contida neste website foi obtida de fontes consideradas credíveis, contudo não há garantia da sua exactidão. As opiniões aqui expressas são-no a titulo exclusivamente pessoal. Devido à variação dos objectivos de investimento individuais, este conteúdo não deve ser interpretado como conselhos para as necessidades particulares do leitor. As opinões expressas aqui são parte da nossa opinião nesta data e são sujeitas a alteração sem aviso. Qualquer acção resultante da utilização da leitura deste comentário independente do mercado, é da exclusiva responsabilidade do leitor.