Liberty Silver - Moedas de Prata sem IVA

Liberty_Silver_PT

Facebook BI

Sábado,�23 deSetembro,�2017

Uniões, desuniões, crises e cimeiras "on the rocks"

Fernando-Braga-de-Matos

Por Fernando Braga de Matos*

(Onde o autor desenvolve um poderoso raciocínio sobre o que se vem passando na União Europeia, seja o aprofundamento das relações entre países membros, seja a crise do euro e das dívidas soberanas, concluindo, também com grande poder intelectual, que nada ocorreu que não estivesse à vista, e que a cimeira do "tudo ou nada" há-de ser sempre a seguinte).

Depois de 247 cimeiras, mais coisa menos coisa, até eu já tinha concluído que, com estes actores e neste contexto, a União Europeia não resolve o que quer que seja com golpes dramáticos. A coisa lá vai seguindo no seu vagar e nem o facto de haver uma crise aflitiva estimula os dirigentes. Surpreendente? Nada disso, pois os pontos de vista e os interesses de curto prazo divergem profundamente e o antigo sistema em que havia uma Alemanha, cheia de sentimentos de culpa e desejos de regressar à Humanidade, a pagar, e uma França, com manias de "grandeur", com enorme empenho de dirigir e fazer andar, esse sistema, pura e simplesmente acabou.

Neste segmento histórico, a confederação europeia , como entidade, não passa de um magma enorme e pegajoso ao sabor da inércia pois andou demais com pernas a menos. Dramático? Nada disso, visto ser indiferente, para efeitos de distância, marchar depressa no início e devagar mais para a frente ou o contrário. Este modelo de percurso, mais oportunístico que planeado, é afinal a maneira mais inteligente de prosseguir, porque nem a ordem unida não se coaduna com a democracia nem a unanimidade se ajusta à diversidade.

Eu, que não acredito em milagres, acho completamente milagroso que inimigos perenes , rivais de estimação e gente que se encontra casualmente construam todos uma unidade viável, embora complexa, e chegue aos cinquenta anos de convívio (contando com o "namoro"), nesta santa desarmonia harmoniosa. Claro que temos uma crise maior para resolver e isso é que cria ansiedade, mas de resto tudo vai andando como dantes, quartel general em Abrantes. Conformista? Nada disso, pois ainda há bem pouco tempo andava tudo à turra e à massa com a Convenção Europeia, o remendo do Tratado de Lisboa, referendos "à la carte", para não falar que a União até tem um Presidente escolhido na base do menor denominador comum e que só muito empurrado aceitou o encargo e à terceira vez. Isto tudo para dizer que ainda não esbarramos no iceberg e isso nem sequer vai acontecer, mesmo que para uma Merkl apareça sempre um Cameron "odd MAN out" e haja até quem pense que anões dão murros na mesa para intimidar gigantes.

Mas passando ao que interessa no concreto, e isso é o problema do euro e das dívidas soberanas, é de dar nota de 60, numa escala de 100, no que toca à bondade dos resultados da cimeira dos dias 8/9. Surpreendente? Nada disso, mesmo que os mercados, no dia em que escrevo, estejam no vermelho cor de sangue e eles é que sabem, embora eu fique muito sentido por aparentemente ligarem mais ao que diz a Moody's do que ao que eu digo. Um resultado mede-se por relação a uma expectativa e a verdade é que o realismo não prognosticava nada de particularmente positivo. Logo, o simples facto de se ter saído sem um desastre já é um bem, pois a linha de água estava no ponto de se manter tudo igual , mas aconteceram pequenos apontamentos bons e nenhuma nota insanavelmente menos. Os mercados estão negativos e o euro marginalmente abaixo dos 1,3 USD mas isso é porque a perspectiva de falta de crescimento na Europa implica uma muito maior possibilidade de incumprimentos de dívida soberana e porque a falta de resposta do Fed aos malvistos indicadores económicos nos EUA aumenta o pessimismo.

De resto, depois do encontro romântico Merkozy num motel a 20 km de Bruxelas no dia 5, segundo dizem, via-se que a linha alemã ia vencer e nem era por jogarem kriegspiel ou por o Sarkozy preferir alemãs loiras e buchas a italianas morenas e longilíneas. Com 27 na União, 17 no euro e a Grã-Bretanha a deixar o continente permanentemente isolado(1), "haja quem mande!", como se dizia noutros tempos que não se podem nomear, para mais com enorme maioria. E isso vai havendo, mesmo sem bigode de vassoura. Perguntar-se-á se a direcção é boa, mas algo eu sei: pode-se escrever a regra de oiro quanto aos défices orçamentais e às dívidas dos países nas constituições ou nas portas dos frigoríficos, mas fazer como os ganhadores não há-de ser má ideia.

 


* Advogado, autor de " Ganhar em Bolsa" (ed. D. Quixote), "Bolsa para Iniciados" e "Crónicas Politicamente Incorrectas" (ed. Presença). Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar


Publicado no Jornal de Negócios dia 16 de Dezembro de 2011

 

Comentários (0)

Subscrever RSS deste comentário.

Exibir/Ocultar comentários.

Escreva um comentário.


busy

AVISO: A informação contida neste website foi obtida de fontes consideradas credíveis, contudo não há garantia da sua exactidão. As opiniões aqui expressas são-no a titulo exclusivamente pessoal. Devido à variação dos objectivos de investimento individuais, este conteúdo não deve ser interpretado como conselhos para as necessidades particulares do leitor. As opinões expressas aqui são parte da nossa opinião nesta data e são sujeitas a alteração sem aviso. Qualquer acção resultante da utilização da leitura deste comentário independente do mercado, é da exclusiva responsabilidade do leitor.