Liberty Silver - Moedas de Prata sem IVA

Liberty_Silver_PT

Facebook BI

Quinta-Feira,�19 deOutubro,�2017

Maléfica e os abutres

joao_Cesar_das_neves

por João César das Neves*

Os estúdios Disney acabam de apresentar uma inversão do clássico infantil A Bela Adormecida (1697) de Charles Perrault. O vilão do filme Maleficent de Robert Stromberg (Maio 2014) é o rei, pai da princesa, passando a bruxa má a vítima benevolente. Transposição semelhante acontece na falência argentina de 30 de Julho.

A imprensa financeira gosta de contos de fadas com heróis (poucos), vilões (muitos e terríveis) e vítimas (nós). Aqui a Presidente Cristina Kirchner, como a fada Maléfica, surge como alvo de traição por "fundos-abutre", que conseguiram num tribunal de Nova Iorque bloquear o pagamento, arruinando o país. Afinal tudo encaixa no enredo habitual: abuso típico de ricaços americanos sobre pobres contribuintes argentinos. Na verdade, para lá do romance mediático, a questão é importante, complexa e sem inocentes.

Tudo começa com um infractor recorrente, a Argentina, a quem já ninguém empresta. Foi para convencer os relutantes credores que o país recorreu à praça americana, emitindo dívida sob as sólidas regras dos EUA. Por isso é que o conto inclui o inesperado tribunal de Nova Iorque. Depois, apesar das garantias, nova falência: o tema do julgamento de 2014 são os títulos repudiados em 2001, no anterior incumprimento.

Na altura a Argentina impôs cortes de 65% aos credores. Aceitando a proposta, os detentores de títulos criaram um precedente poderoso, invocado desde então por outros países endividados. Mas há aí uma ilusão, pois a suposta vitória dos faltosos dentro das sólidas leis americanas apenas tornaria proibitivas futuras emissões.

Agora até esse êxito aparente azedou. Fundos especulativos, que tinham comprado a desconto os títulos a credores espavoridos, recorreram e o tribunal americano aplicou a letra do contrato. Se a Argentina paga a uns, tem de pagar a todos nas respectivas condições: o país só pode reembolsar os 35% aos credores que aceitaram o corte se entregar 100% aos fundos. Assim o país voltou a falir nos títulos já falidos.

Este embate de vilões domina a discussão, definindo os termos da finança internacional. Mas o centro da história, como no conto clássico, deve ser a princesa, não a má da versão Disney.

Rica e sofisticada no fim de oitocentos, a Argentina regrediu claramente ao longo do século XX. Em 1913 o nível de vida argentino era mais do triplo de português, e acima de economias como a França, Alemanha e Suécia. Cem anos depois, o nosso produto por pessoa está quase 30% acima do argentino em paridade de poder de compra e mais de 70% em taxas de câmbio. Assim é uma excelente candidata a jovem enfeitiçada.

O sono tornou-a o protótipo mundial de mau pagador recursivo. Das oito vezes que faliu na dívida pública externa (1827, 1890, 1951, 1956, 1982, 1989, 2001 e no mês passado), seis são desde a II Guerra Mundial. Portugal teve sete falências, mas a última há mais de 120 anos. Aliás, esse episódio foi precipitado precisamente por um fiasco argentino. A célebre "crise Barings" de 1890, colapso semelhante ao de 2008 à volta do banco Lehman Brothers, começou porque o Baring Brothers de Londres estava muito envolvido em dívida argentina, a qual faliu por uma revolução. No consequente encerramento de mercados, a endividada coroa portuguesa, aliás cliente habitual do acidentado Barings, entrou em incumprimento, arrastando a maior crise financeira da nossa história.

Bela mas adormecida, a Argentina é um paradoxo socioeconómico, combinando níveis do melhor do mundo, no âmbito cultural, artístico e científico, com problemas de país remediado, senão miserável. Podemos dizer que os disparates derrotistas que a elite portuguesa gosta de emitir acerca do destino nacional são verdade, não cá, mas no Cone Sul da América. Temos um pais com problemas, mas o conto de fadas dramático é nas pampas, onde os nossos analistas de café acertariam no diagnóstico depressivo. A infeliz Argentina pode ser considerado o único país secularmente em "vias de subdesenvolvimento". A culpa é, não dos abutres, mas de sucessivas Maléficas.

 

 

naohaalmocosgratis (at) ucp.pt


*João César das Neves é professor na Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais (FCEE) da Universidade Católica Portuguesa em Lisboa.


 

Publicado no Diário de Notícias dia 11 de Agosto 2014

 

Comentários (0)

Subscrever RSS deste comentário.

Exibir/Ocultar comentários.

Escreva um comentário.


busy

AVISO: A informação contida neste website foi obtida de fontes consideradas credíveis, contudo não há garantia da sua exactidão. As opiniões aqui expressas são-no a titulo exclusivamente pessoal. Devido à variação dos objectivos de investimento individuais, este conteúdo não deve ser interpretado como conselhos para as necessidades particulares do leitor. As opinões expressas aqui são parte da nossa opinião nesta data e são sujeitas a alteração sem aviso. Qualquer acção resultante da utilização da leitura deste comentário independente do mercado, é da exclusiva responsabilidade do leitor.