Liberty Silver - Moedas de Prata sem IVA

Liberty_Silver_PT

Facebook BI

Sexta-Feira,�23 deOutubro,�2020

Mentalidade pública

joao_Cesar_das_neves

por João César das Neves*

Hoje existem várias crises simultâneas e nem sempre as piores são as mais patentes.

Temos uma crise financeira. Isso todos sabem. A dívida é alta e há que a pagar. Mais grave é a crise económica. Anos de dinheiro fácil distorceram mecanismos e promoveram actividades espúrias e perdulárias. A correcção desses desvios, que gera o enorme desemprego, vai ser longa e pior que a da dívida.

Estas duas crises são visíveis, motivam a atenção de todos e as políticas do governo e troika. Mais importantes, mas menos debatidas, são as mudanças em comportamentos e regras, abandonando vícios que o longo período de esbanjamento promoveu. A crise de fundo é cultural.

Nesse campo existem duas tarefas, uma acessível, outra penosa. É urgente os portugueses mudarem de hábitos, corrigindo muitos desperdícios e exageros involuntários que os tempos de facilidade suscitaram. Mesmo que a prosperidade regresse, é preciso nunca voltar ao esbanjamento conspícuo dos últimos anos. Além disso, perante a grave recessão, é mesmo urgente cortar coisas importantes. Esta é a famigerada "mudança de mentalidades" que tantos analistas recomendam. Mas tal adaptação, mesmo dolorosa, é fácil de conseguir.

As pessoas reagem a incentivos. Este princípio básico da economia tem como corolário que é rápido transformar os hábitos de um povo quando as circunstâncias mudam. Todos os que se acostumaram a despesas exageradas quando o vento soprava a favor, corrigem logo os orçamentos face às dificuldades. Não há dúvida acerca das terríveis dores que alguma dessa adaptação implica. Mas não é preciso andar a sugerir mudança de mentalidades, porque ela acontece logo e naturalmente.

O que é muito mais difícil de mudar são as mentalidades públicas, rigidamente consagradas em leis, regras e imposições. Os anos de decadência não afectaram apenas os cidadãos. Aliás o seu maior impacto foi nos hábitos do Estado, que se acostumou a manias sumptuárias, exigências mesquinhas, requintes exagerados. Sempre em nome de propósitos meritórios, criaram-se regulamentos minuciosos, quesitos mirabolantes, inspecções obsessivas. Pior, devido à obsessão regulamentar dos tempos modernos, em que tudo tem de ser estatuído legalmente, essa rigidez é tão omnipresente que pode ser fatal. Boa parte dessas obrigações vinha dos países ricos que queríamos imitar, e uma grande fatia até era imposta por directivas comunitárias. Se uma burocracia nacional pode ser imbecil, uma burocracia supra-nacional é super-imbecil.

A vida dos cidadãos e a actividade económica ressentem-se há muito dessas tolices. Nos tempos fáceis a coisa era suportável. Agora, em momento de aperto, tais legislações transformam-se em agressões criminosas. Os exemplos são miríade. Boa parte deles estão a sabotar o crescimento e criação de emprego em nome de valores secundários, impossíveis de manter sem crescimento e emprego. Para ilustração basta um caso doméstico.

Há meses o DN noticiou: "Mais de 60 mil condutores foram multados no ano passado por falta da Inspecção Periódica Obrigatória (IPO) dos veículos, infrações que aumentaram quase um quarto em relação a 2010" (24/ /Fev). Este caso mostra como a lei é rígida, insensível e estúpida. Não existem dúvidas acerca das vantagens da IPO, mas também é verdade que está longe de ser indispensável. Vivemos décadas sem ela. Em momento de tanto aperto é perfeitamente sensato e razoável adiar a revisão do carro. Ninguém, que ainda consiga pagar a gasolina, passa a andar a pé por falta da senha.

Se a lei não entende isso e, pior, manda a polícia perseguir os pobres honestos, é ela que tem problemas de mentalidade. A função das autoridades é perseguir criminosos, não punir pessoas com pouco dinheiro por andarem de automóvel. Impor regras secundárias em momento de emergência mostra uma mentalidade mesquinha que degrada a credibilidade do Estado. Os dirigentes responsáveis por esta tacanhez ainda têm o desplante de recomendar mudança de mentalidade ao povo, que não lhes compete e está muito mais avançada que a sua.



Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar

*João César das Neves é professor na Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais (FCEE) da Universidade Católica Portuguesa em Lisboa.

 

Publicado no Diário de Notícias dia 2 de Julho 2012

 

Comentários (0)

Subscrever RSS deste comentário.

Exibir/Ocultar comentários.

Escreva um comentário.


busy

AVISO: A informação contida neste website foi obtida de fontes consideradas credíveis, contudo não há garantia da sua exactidão. As opiniões aqui expressas são-no a titulo exclusivamente pessoal. Devido à variação dos objectivos de investimento individuais, este conteúdo não deve ser interpretado como conselhos para as necessidades particulares do leitor. As opinões expressas aqui são parte da nossa opinião nesta data e são sujeitas a alteração sem aviso. Qualquer acção resultante da utilização da leitura deste comentário independente do mercado, é da exclusiva responsabilidade do leitor.